Goldenergy,

É rentável a venda excedente do autoconsumo?

Índice

Se tem ou pretende adquirir um sistema de produção de energia a partir de uma fonte renovável, como os painéis solares, já deve ter feito contas importantes. Não apenas sobre o investimento inicial, mas também naquilo que diz respeito às suas necessidades de consumo e, talvez, sobre aquilo que pode produzir a mais. Se não sabe, fica já a saber: é possível repassar a energia que não utiliza para a rede elétrica e esta troca pode significar poupanças na sua fatura. Mas será que é mesmo rentável a venda excedente do autoconsumo? O que significa na prática para si e para a sua carteira?

É o que a Goldenergy vai explicar neste artigo. 😉

Como é que funciona a venda excedente do autoconsumo?

A instalação das placas fotovoltaicas está a ganhar espaço entre as escolhas dos consumidores em Portugal e o que talvez possa ainda não saber é que os painéis solares são capazes de gerar energia, a partir da luz solar, para o autoconsumo… Mas não só. A verdade é que pode ser gerada energia excedente que, no fundo, é energia a mais. Uma vez que já cumpriu o seu consumo elétrico com a energia solar das suas placas, regra geral, aquilo que é excedente é oferecido à rede elétrica pública.

E porque é que produzimos energia excedente? As razões são simples: nem sempre estamos em casa, nem sempre os nossos consumos são os mesmos. Quando os seus painéis solares, por razões naturais de pouca luminosidade solar, não são capazes de satisfazer a necessidade elétrica do imóvel, o consumidor tem de recorrer à energia da rede. Em sentido contrário, quando as placas trabalham para produzir energia que não precisamos consumir, o excedente é “entregue” à rede.

E como acumulamos o excedente? É simples: produzindo energia em períodos que não a utilizamos. E não podemos tê-la armazenada para as alturas em que necessitamos de mais eletricidade do que aquela que as nossas placas produziram? Infelizmente, não. A verdade é que os painéis solares armazenam a energia não consumida por períodos de quinze minutos. Após este período, a energia é considerada como excedente e injetada na rede.

No entanto, existe outra solução que pode instalar em casa e, assim, conseguir beneficiar da energia gerada durante o dia por mais tempo, mesmo após o por-do-sol. Mas sobre isto vamos falar mais à frente. 😉

A boa notícia é que a lei portuguesa já prevê que esta energia produzida em excesso e não consumida no imóvel possa ser vendida. Para alguns isto pode fazer sentido e compensar. Mas quando e para quem?

Quanto é que posso ganhar com a venda excedente do autoconsumo?

A resposta não é fixa: na verdade, depende do comercializador que vai comprar o seu excedente do autoconsumo. Daí ser tão importante comparar condições entre as empresas. Uma coisa é certa: para já, em qualquer operador, este não é um negócio que gere lucros significativos para clientes de consumo doméstico que possuem 1, 2, 3 placas fotovoltaicas.

Os valores pagos pelo kWh, hoje, ainda são considerados baixos face ao investimento necessário para se ter aos painéis, razão pela qual não é boa ideia, para já, contar com esse retorno financeiro para compensar a compra do sistema de autoconsumo.

Então, vender a minha energia excedente compensa ou não? Mais uma vez, depende de diversos fatores e, claro, daquilo que pretende enquanto dono dos painéis solares. A partir deles, e fazendo bem as contas, poderá decidir se para si faz sentido seguir este processo.

5 passos para a venda excedente do autoconsumo

Ora, vamos lá ver quais são os 5 passos a seguir para que possa vender o seu excedente de energia.

  1. Instalar painéis com uma capacidade igual (ou superior) a 350 W. Abaixo deste número, não consegue vender energia à rede.
  2. Registar os seus painéis na DGEG – após o registo, recebe uma carta enviada pela E-Redes, que informa a visita de um técnico para a substituição do contador (no caso de não ter um contador inteligente e adaptado ao processo de autoprodução). O contador inteligente é exigido para que seja possível comercializar o seu excedente energético.
  3. Depois de ter o contador inteligente devidamente instalado, é altura de contactar a E-Redes para solicitar um código CPE de produtor de eletricidade – que é diferente daquele que já tem na sua fatura de luz.
  4. Depois de ser alterado o seu aparelho contador e quando já tiver um CPE de produtor, deverá então contactar um comercializador que compre a sua energia. Contacte vários e verifique se lhe compram e que preço fazem (são livres de determinar o valor que pagam pela sua energia).
  5. Ser pago pela venda do excedente do autoconsumo. Vai ter de preencher os documentos indicados pela empresa à qual vai vender energia, indicando um IBAN (onde lhe vão depositar o valor correspondente ao  devido, em períodos que podem variar entre os operadores).

Quem compra a minha energia excedente?

Todas os comercializadores compram energia excedente da sua produção de autoconsumo? Não. Deverá informar-se junto à ERSE quais são os operadores de eletricidade que remuneram o consumidor em troca da energia que produz em casa e não usa.

Pode ver a lista atualizada de operadores neste link. Ainda assim, deverá confirmar com as empresas se compram ou não.

Tenho de ser cliente do operador que me compra energia?

Não, não tem de ser um cliente com contrato de eletricidade ativo na empresa a que vende a sua eletricidade excedente.

O que é a compensação?

Para além de ceder gratuitamente ou de poder vender a sua eletricidade em excesso, outra opção pode ser a de ter um sistema de compensação. E o que é isto? Vamos responder em seguida. 😉

O autoconsumo com excedentes em regime de compensação é um tipo de tarifa que pode contratar se tem no seu imóvel um sistema energético de autoconsumo que produz mais do que aquilo que efetivamente necessita no dia a dia. Este tipo de tarifário permite que o utilizador tire partido da energia produzida em excedente, que é gerada pelo seu sistema de autoconsumo – de que é exemplo os painéis solares fotovoltaicos.

Como é que isto funciona? É simples: toda a energia que é gerada pelo sistema e que não é utilizada, passa a ser devolvida ou injetada na rede. De seguida, o comercializador de eletricidade estabelece uma compensação financeira para o cliente, deduzindo esta energia entregue à rede da sua fatura da eletricidade.

Estas tarifas tornam possível amortizar bastante mais cedo o investimento feito nas unidades de autoconsumo de energia.

A compensação ou venda de excedentes é melhor?

Escolher entre o regime comercial, em que vende o excedente, e o regime de compensação é uma decisão algo simples de tomar. Apesar de as vantagens, de um ou de outro, estarem constantemente dependentes de cada situação, podemos estabelecer regras gerais que podem ser aplicadas a todos os casos.

Nos imóveis residenciais, de famílias ou comunidades de vizinhos, em que a necessidade de consumo é considerada reduzida, a instalação não terá de ser grandiosa ou demasiado sofisticada – ou seja, não será provavelmente capaz de gerar um grande excedente de eletricidade. Nessas situações é natural que exista um consumo constante da energia que vai sendo produzida e o resultado disto é que se torna mais vantajoso aderir a um sistema de compensação.

Por outro lado, no caso de grandes empresas ou de edifícios industriais, em que haja longos períodos em que os sistemas geram energia e ninguém a consome (fins de semana e feriados, por exemplo) poderá ser mais rentável estabelecer uma relação comercial com algum agente energético do setor. Assim, faz sentido vender a energia que é excedente, uma vez que será possível fazer mais dinheiro, a longo prazo, do que aquele que seria poupado por meio dos regimes de compensação na fatura.

Tenho outras opções?

Sim, não tem apenas de escolher entre compensar ou vender energia à rede.

Pode ponderar instalar baterias de armazenamento. Essas baterias são capazes de “guardar” o excedente energético produzido pelos seus painéis e poderá usá-lo à noite, por exemplo. Isto também é sinónimo de poupança, uma vez que este passo reduz a sua dependência da rede. No entanto, o preço destas baterias é ainda bastante elevado.

Soluções solares Goldenergy

As soluções de eletricidade para autoconsumo são mais uma das nossas especialidades. 😀

Se quer aderir à onda das energias renováveis não perca tempo: fale com a Goldenergy e encontre a oferta solar de que precisa. 😉

Adira agora e comece já a poupar com a energia mais verde do mercado. Até já! 😀

Partilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Quer aderir? Nós ligamos, grátis.

Deixe os seus dados para entrarmos em contacto consigo.

Poupe em casa e cuide do planeta escolhendo energia 100% verde.

Quer receber primeiro uma proposta? Simule e veja quanto vai poupar.

Artigos recentes

Conduz ou quer conduzir um elétrico? Já pesquisou sobre apoios do Estado, vantagens da condução, benefícios para o meio ambiente...
O Regulamento da Mobilidade Elétrica em Portugal (RME), publicado e vigente desde 2015, pela Entidade Reguladora de Serviços Energéticos (ERSE),...
Neste artigo a Goldenergy explica-lhe o que é e como funciona o kit de bombeamento de água com energia solar....

Mais lidos

Se ainda não é nosso cliente, agora vai querer ser. Conheça o nosso programa Campanha Amigo e saiba como ganhar...
Nos períodos de confinamento a recolha da leitura pelo técnico pode estar condicionada e é importante comunicar o consumo para...
Durante o mês de Novembro de 2020 o setor da energia assistiu a mais um importante passo na agilização de...