Goldenergy,

Aquecimento global: saiba qual é a contribuição dos automóveis

Índice

Sim, precisamos de falar sobre este tema. Precisamos de o conhecer, debatê-lo e transformá-lo numa ação de mudança. Convidamos o nosso leitor a saber um bocadinho mais sobre o aquecimento global e a verdadeira contribuição dos automóveis que usamos, para diversos fins, todos os dias.

Pegar nas chaves do carro para ir ao supermercado. Conduzir uma mota para ir a casa de um amigo que vive a poucos quarteirões de distância. Enfrentar o trânsito matinal para ir ao escritório.

Estas cenas são tão comuns que parecem quase inofensivas. Mas a verdade é que não são. Vejamos algumas atitudes mais radicais, como a da ativista sueca Greta Thunberg, que não viaja em aviões ou veículos poluentes, mas ficou conhecida pelas suas longas viagens em veleiros.

De facto, como alerta a própria ativista, a maioria dos veículos atualmente comercializados são movidos a motores de combustão interna que representam uma ameaça para o planeta.

Segundo a Associação Europeia de Construtores Automóveis (AECA), que reúne os 15 maiores fabricantes da Europa, no primeiro trimestre de 2021 foram vendidos 3,412 milhões de veículos movidos a diesel e a gasolina no continente.

Este número contrasta com o de carros elétricos, que superou em pouco os 1.8 milhões – pouco mais de metade dos veículos poluentes.

Mas, afinal, qual será a verdadeira contribuição dos veículos para o cenário que infelizmente estamos a construir: com chuvas ácidas, aumento dos níveis dos oceanos e agravamento do aquecimento global?

A Goldenergy partilha algumas informações úteis para que os nossos leitores possam estar mais conscientes e possam tomar decisões transformadoras.

Aquecimento global: qual é a verdadeira contribuição dos veículos?

Contribuição do motor de combustão interna

Antes de mais, devemos definir em rápidas palavras o que é o aquecimento global: é o aumento das temperaturas atmosféricas e oceânicas em todo o mundo, que tem consequências graves para a natureza.

Convém destacar, no entanto, que o efeito de estufa, que é um fenómeno natural, é responsável por manter as temperaturas da superfície terrestres apropriadas para a manutenção da vida.

O aquecimento global, portanto, seria o agravamento do efeito de estufa, causado por interferências humanas sobre a natureza.

Essas interferências ocorrem em vários setores: na produção exagerada de lixo, no aumento da circulação de transportes com motor de combustão interna, na criação intensiva de animais, no desmatamento, entre outros fatores.

Mas qual seria afinal a verdadeira contribuição dos veículos para o agravamento do efeito de estufa, ou mais especificamente, para o aquecimento global?

Segundo o Parlamento Europeu, os transportes são responsáveis por quase 30% das emissões de dióxido de carbono na União Europeia. Com transportes, o Parlamento refere-se a:

  • carros;
  • camiões de carga leve;
  • camiões de carga pesada;
  • veículos motorizados;
  • aviação civil;
  • ferrovias;
  • navegação marítima, entre outros.

No entanto, se 30% das emissões de CO2 na Europa são causados por transportes, estima-se que 72% desse valor venha apenas dos transportes rodoviários – os 4 primeiros da lista acima.

Não é por acaso que são estes os transportes que vemos com maior frequência no nosso quotidiano, certo? Ou seja, é a nossa locomoção diária ainda a maior responsável pelo aquecimento global.

Pode ser difícil lidar com este choque de responsabilidade, mas foi isso que motivou a UE a estabelecer o objetivo de reduzir as emissões relacionadas com os transportes em 60% até 2050.

Nesse sentido, convém mencionar que não só de CO2 já está farta a nossa atmosfera. Há diversos outros gases libertados pelos automóveis que agravam ainda mais o aquecimento global.

Conheça-os a todos abaixo.

Principais gases libertados e os seus efeitos

Como dito anteriormente, o agravamento do efeito de estufa e, consequentemente, a evolução do aquecimento global, são consequência de uma série de agressões à natureza.

O motor de combustão interna é, sem dúvida, uma grande fonte de emissão de gases com efeito de estufa que contribuem para o cenário catastrófico do qual nos aproximamos a cada dia.

É importante “chamar os bois pelos nomes”, no sentido de nos consciencializarmos sobre a pegada ecológica, sobretudo a pegada de carbono que deixamos sobre o planeta.

CO2 (dióxido de carbono)

É o principal associado ao aquecimento global, uma vez que é o gás emitido em maior quantidade. Apesar de ser encontrado na natureza de forma espontânea, a sua libertação em excesso pela indústria automóvel é perigosa para o ambiente e para a saúde humana.

O excesso de gás carbónico na atmosfera torna o fenómeno das chuvas ácidas numa ameaça aos ecossistemas.

CO (monóxido de carbono)

É considerado um gás asfixiante emitido por todos os veículos com motores de combustão interna. A sua libertação excessiva pode diminuir a oxigenação no sangue, além de agravar problemas cardíacos e respiratórios.

NOx (óxidos de nitrogénio)

Um conjunto de gases emitidos sobretudo por veículos movidos a diesel. Provocam desconforto respiratório, diminuição da imunidade e até mesmo alterações celulares. Intensificam os problemas respiratórios, como alergias, asma e bronquite.

HC (hidrocarbonetos)

Além de provocarem cancro, causam irritações nos olhos, nariz, pele e aparelho respiratório. São emitidos sobretudo por veículos movidos a diesel.

CH4 (metano)

Apesar de provocar grandes danos ao corpo humano, é considerado um gás com efeito de estufa, pois impacta consideravelmente no aquecimento global.

CHO (aldeídos)

É um gás com efeitos similares aos do Hc e Nox, sendo também causador de cancro. É emitido em menor quantidade do que os demais gases poluentes.

MP (material particulado)

É emitido sobretudo por veículos a diesel e constitui-se naquele denso fumo visível a olho nu. Naturalmente, causa tosses e graves danos ao sistema respiratório, pois fica retido nos alvéolos pulmonares e causa grande desconforto.

A sua emissão já foi bastante reduzida nos últimos anos, mas não totalmente dos motores de combustão interna, pelo que ainda contribui para o agravamento do efeito de estufa e, consequentemente, o aquecimento global.

Vantagens do carro elétrico

Tendo em conta os prejuízos que os gases acima mencionados causam à natureza e à nossa sobrevivência, a principal vantagem do carro elétrico fica ainda mais evidente. Este veículo não emite qualquer gás.

Ponto final, ficamos por aqui. 😊 Brincadeiras à parte, explicamos os principais motivos pelos quais o carro elétrico é considerado o meio de transporte mais amigo do ambiente.

  • O seu motor não é de combustão interna: pelo contrário, é um motor movido a recargas elétricas, não a combustíveis fósseis. Mas atenção: se a ficha de onde o carro elétrico extrai a sua energia for abastecida por eletricidade não-renovável, voltamos à estaca zero. Recorra a energia 100% verde.
  • Sendo o seu motor elétrico, não liberta gases com efeito de estufa: afinal, estes gases surgem em consequência da queima de combustíveis fósseis.
  • Menos manutenções: uma vez que o motor de um carro elétrico é mais simples, são necessárias menos manutenções para o manter em pleno funcionamento.
  • Diminui a poluição sonora: os carros elétricos são extremamente silenciosos. De facto, nalguns destes carros, existem botões para ativar o barulho ambiente, para que os peões e outros carros possam facilmente perceber a sua presença na estrada.

Tendo estas principais vantagens enumeradas, é natural que se desperte a curiosidade por um veículo elétrico. No entanto, o seu alto valor de investimento é ainda para muitos uma grande desvantagem.

Sendo o aquecimento global um fenómeno causado por infinitas razões, sejam elas artificiais ou naturais, é claro que não podemos culpabilizar os motores de combustão interna como únicos responsáveis.

De facto, os nossos hábitos de consumo, de modo geral, influenciam ativamente sobre o futuro que estamos a construir no presente: a nossa alimentação, a recolha do lixo, as compras que fazemos e muito mais.

A Goldenergy está consciente de que cada escolha feita individualmente ou no ambiente do lar influencia no resultado que queremos ver em todo o planeta.

Se possui um automóvel elétrico, ou mesmo se pretende tornar a sua casa mais amiga do ambiente, escolha uma comercializadora com eletricidade 100% verde.

As pequenas atitudes sustentáveis dão-nos boa energia! Adira já à Goldenergy.

Partilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Quer aderir? Nós ligamos, grátis.

Deixe os seus dados para entrarmos em contacto consigo.

Poupe em casa e cuide do planeta escolhendo energia 100% verde.

Quer receber primeiro uma proposta? Simule e veja quanto vai poupar.

Artigos recentes

Preocupado com as faturas da energia? Sabemos que nunca foi tão urgente pensar em formas de pagar menos pelos consumos...
Estes aparelhos representam uma das possíveis escolhas que podemos fazer para aquecer a água da nossa casa, no caso de...
A autonomia dos carros elétricos é, e tem razão de ser, uma das maiores preocupações de quem quer comprar um...

Mais lidos

Se ainda não é nosso cliente, agora vai querer ser. Conheça o nosso programa Campanha Amigo e saiba como ganhar...
Nos períodos de confinamento a recolha da leitura pelo técnico pode estar condicionada e é importante comunicar o consumo para...
Durante o mês de Novembro de 2020 o setor da energia assistiu a mais um importante passo na agilização de...