Esta é uma questão que nos colocam muitas vezes: compensa ter baterias nos painéis solares? Sabemos que o consumo da energia resultante da exposição solar tem alguns limites horários e que a energia que não é consumida é injetada na rede, por isso esta é uma questão tão comum.

Como queremos saber tudo sobre autoconsumo, energias renováveis e painéis solares, pedimos ao nosso especialista em NewEnergy, André Silva, que nos falasse mais sobre este tema. Aqui vai a resposta do André 🙂

Compensa instalar baterias com os painéis solares?

“Esta é uma das perguntas mais frequentes que me fazem e, a minha resposta direta é – financeiramente não!

Para não estar a falar do que não sei, eu tenho instalado 6 painéis solares em minha casa. Ainda os consegui instalar ao abrigo do Fundo Ambiental (programa Edifícios +Sustentáveis).

Instalei mais dois painéis do que o recomendado por duas razões:

1. Para acomodar o carregamento futuro de um veículo 100% elétrico;
2. Para majorar o apoio do fundo ambiental.

Olhando para os dados históricos de 2022 (desde 1 de janeiro até 1 de setembro), vejo que perdi (injetei na rede) 515 kWh, o equivalente a 64kWh / mês, ou 2,11 kWh por dia.

Se eu tivesse tido a oportunidade de armazenar toda essa energia, sem perdas, e consumido a mesma durante a noite (como tenho bi-horário, estou a pagar cerca de 0,1 €/kWh), teria poupado 51,5€ desde o início o ano (6,4€/mês). Se considerasse que ainda consumiria essa energia no período mais caro (na hora do jantar), a poupança seria, no máximo, o dobro (12,8€/mês).

Resumindo, a minha poupança seria de 153,6 € / ano.

Tendo em conta que uma bateria com 5kWh (a Huawei Luna 2000 – as mais comuns do mercado) tem um custo, aproximado, de 3.500€ (com IVA a 6%), eu conseguiria recuperar o investimento em 22 anos! Um tempo muito superior à vida útil da bateria (no máximo 10 anos com perda de capacidade inferior a 35%).

E tudo isto, sem considerar que poderei estar a vender o meu excedente de produção e assim, conseguir uma rentabilização extra.

Como nota final, deixo o exemplo de alguns países Europeus, como a Holanda e a Polónia, onde a política em vigor permite que uma parte da energia injetada na rede durante o dia possa ser descontada à energia consumida, num período de 24 horas.

Caso Portugal opte por avançar com uma medida semelhante, que na minha opinião seria muito recomendada, o investimento em baterias deixaria de fazer sentido.”

André Silva
Head of NewEnergy na Goldenergy

Obrigado André! 😉